Endereço:

Av. Ephigênio Salles, 1299 - Aleixo

Manaus/AM CEP: 69060-020

Brasil

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon

Pega mal ser feminista? - Reflexões de uma Professora de Ensino Médio

June 15, 2018

 

Como professora do ensino médio público, encontro no ambiente o grande laboratório das vivências em inúmeras “lâminas” que denunciam os processos e os resultados comportamentais e ideológicos dessa juventude.

 

Focalizando neste texto nas perspectivas das moças de 14 a 20 anos, pude observar as adolescências de infinitas possibilidades e panoramas. E me vem essa realidade: A jovem é machista.

 

Sim, a jovem atual não sabe ou não quer saber sobre feminismo. Falar de feminismo é complicado nas rodinhas, há moças que acreditam ainda que não podem ser românticas e feministas, religiosas e feministas, mães e feministas, femininas e feminista.  

 

Essa concepção foi construída por inúmeras situações ao longo da vida dessas meninas, não sei se vem ao caso investigar neste texto, o fato é que há uma corrente de pensamento que marginaliza a idéia feminista e, claro, ocorre em todas as idades, entretanto quando se trata do jovem esperamos o renovo das percepções e é difícil lidar com o contrário.

 

Seria uma postura fóbica quanto ao movimento ideológico? Sim e por parte da menina para a menina. A professora aqui se posiciona, tenta desanuviar esses termos e dizer que não tem problema em querer os direitos, mostrar que a feminista não luta pela mulher somente, não pisa e repudia o rapaz, ela luta pelo ser humano que reside em todas.

 

A parte interessante é ver as divisões: a mocinha mais “padrão” de beleza não se importa muito com esses assuntos já que os rapazes a tratam muito bem e ela está “pegando geral” estalando os dedos e massageando diariamente o ego (elemento este que por muitas vezes ela nem sabe que a motiva tanto), mas que poderá perceber sutilmente a opressão do namorado que escolhe a roupa que ela vai usar ou que não a deixará cortar os cabelos e que ainda vai perder o interesse se ela engordar. Questão de sentimento talvez, questão de visão sobre a mulher certamente.

 

As mais estudiosas e menos focadas em relacionamentos já começam a questionar e são lidas como aquelas chatas, “cri cris” que estão precisando namorar. As gravidinhas estão muito preocupadas com o rapaz que pode ser o sonho de marido e que já está morando na casa de sua mãe com elas e já procura emprego ou serve o exército sendo para elas os eleitos na brincadeira de casinha da vida real sem refletirem muito sobre esses assuntos “políticos” a seu ver (política essa maçante para boa parte dos jovens) e rindo das piadas que exageram as reivindicações femininas, reforçando a imagem da Nazi feminista maluca.

 

Há as gravidinhas que não tem as mesmas perspectivas e começam a repensar seus papeis na situação toda, olham os moços futuros pais que já estão em novas conquistas, lidam com a família e com os deveres, dando uma brecha para os ideais de respeito e igualdade ainda não engolidos pela onda de novas tarefas, receios e preconceitos da sociedade que vão integrar.

 

Há também as moças mal vistas, que podem ser homossexuais ou que possuem histórias sobre a sexualidade machucada por traumas, que ainda não conhecem a palavra depressão, mas que são taxadas de excêntricas, esquisitas, “machudas”, doidas...

 

Ser mulher é tudo isso, são todas elas, não tem receita. Mas a escola é o ensaio do mundo e neste ensaio existe o modelo para ser uma garota e elas acabam sendo as ditadoras umas das outras. O feminismo está na essência de cada uma, mas parece precisar de fatores que o despertem nas vidas e nas ações dessas jovens.

 

Acredito que a briga é de cachorro grande, pois dentro do próprio corpo docente os mesmos comportamentos são arraigados e isso é refletido no material humano, nos nossos estudantes. Falar do empoderamento, das atitudes mais comuns que nos desrespeitam é encarado como exagero e no final fica aquela atmosfera de “sempre foi assim”, “sempre deu certo” ou “não sofro isso”, “isso é coisa de mulher revoltada”,“quando ela conhecer o amor, isso passa” em resposta.

 

Há muito a se fazer para mudar o mundo que convive com a mulher. Em primeiro lugar, há muito que se fazer para mudar o UNIVERSO dentro de cada jovem e adulta que se olha no espelho antes de sair todas as manhãs.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

posts recentes.

May 9, 2018

Please reload

arquivo.
Please reload

tags.
siga a gente.
  • Facebook Basic Square
  • Instagram Social Icon